Arte com mão e pedras preciosas

5 passos para lidar com o estresse financeiro

11 de junho de 2022

Redação N26

O estresse financeiro é um dos tipos de estresse mais comuns. Ele está atrapalhando sua vida? Assuma o controle de suas finanças e relaxe sua mente seguindo essas dicas.

Viver com estresse financeiro é uma dura realidade para a maioria de nós, sobretudo no mundo atual. Mas a verdade é que, desde antes da pandemia, quem já tinha dívidas, pouco dinheiro na conta ou renda limitada sempre viveu sob o peso da ansiedade financeira. 

Queremos que você não precise passar por isso, assumindo o controle de suas finanças e aliviando a pressão econômica. Então veja a seguir algumas dicas para ajudar a lidar com o estresse financeiro e começar a prosperar.

O que é (e como identificar) estresse financeiro?

O estresse financeiro, também chamado de ansiedade financeira, é diferente das preocupações diárias com dinheiro. Ele é constante e, em alguns casos, debilitante - podendo se tornar exaustivo e afetar muitos aspectos da sua vida. Quando o seu cérebro libera muito cortisol (o hormônio que produzimos para controlar o estresse) por um período prolongado, você passa a se sentir incessantemente tenso e incapaz de relaxar ou tomar decisões equilibradas.

Se isso não for tratado, pode afetar gravemente sua saúde mental e física. Acontece que ele se manifesta de muitas maneiras diferentes, por isso é importante conhecer os sinais e sintomas. Assim, você pode reconhecer o estresse financeiro em si mesmo ou em alguma pessoa próxima antes que se torne grave demais.

Quais são os sintomas de estresse financeiro?

O estresse financeiro afeta a cada um de nós de maneira diferente, mas existem alguns sinais comuns a serem observados. Eles vão de sintomas físicos e mentais a dificuldades na vida pessoal, passando por vários mecanismos prejudiciais à saúde. Como identificar o estresse financeiro? Veja se você está sofrendo com alguma destas questões:

Dificuldade para dormir (também presente no estresse emocional)

Um dos sintomas mais certeiros de estresse financeiro é a dificuldade para dormir. É quase impossível que uma mente tomada por preocupações com dinheiro se desligue no momento em que você coloca a cabeça no travesseiro. No silêncio da noite, esses pensamentos ansiosos podem se multiplicar e ficarem cada vez mais altos. O pior de tudo é que a falta de sono pode aumentar os níveis de ansiedade existentes, tornando ainda mais difícil dormir na noite seguinte.

Problemas de saúde mental

Se não for tratado, o estresse financeiro pode afetar seriamente a saúde mental. Depressão e ansiedade são os dois efeitos mais comuns do estresse financeiro. Enquanto a depressão pode fazer um indivíduo se sentir cronicamente baixo, sem esperança, incapaz de se concentrar e socialmente retraído, a ansiedade crônica pode resultar em batimentos cardíacos acelerados, sudorese, sensação de nervosismo e ataques de pânico. Ambos requerem ajuda profissional, por isso é melhor agendar uma consulta caso algum desses sintomas apareça.

Problemas de saúde física

O estresse financeiro também pode afetar negativamente o corpo. Dores de cabeça, fadiga constante, pressão alta e problemas gastrointestinais são indicações comuns de ansiedade financeira. Esses sintomas costumam aparecer ao mesmo tempo que os de saúde mental. A hipertensão e os problemas gastrointestinais, por exemplo, estão associados à ansiedade, enquanto as dores de cabeça e a fadiga costumam acompanhar a depressão.

Dificuldades de relacionamento

A ansiedade financeira pode pressionar qualquer relacionamento. Quando um casal está sofrendo de estresse financeiro, fica mais difícil aproveitar o tempo juntos, pois muitas vezes os dois estão muito consumidos pela ansiedade. Dinheiro é o tópico número um de discussões de casais, e o estresse financeiro que acompanha o tema pode afetar até mesmo os relacionamentos mais sólidos.

"Soluções" prejudiciais

Ao sofrermos de estresse financeiro, muitos de nós tentamos combatê-lo com alguma coisa que vá causar um alívio temporário. Essas falsas soluções, contudo, acabam sendo prejudiciais. De álcool e drogas a jogos de azar, passando por alimentação descontrolada e compras compulsivas, a maioria de nós encontra uma muleta para se apoiar quando tudo fica difícil. Quando alguma dessas "soluções" prejudiciais começa a impactar negativamente sua vida cotidiana, isso também é um sinal de que é hora de procurar ajuda profissional.

Como lidar com o estresse financeiro

Agora que você sabe mais sobre os sintomas, é hora de examinar algumas maneiras de lidar com o estresse financeiro. As boas notícias são: com um plano claro de como melhorar seu bem-estar financeiro e mental, você pode aprender a lidar com a situação e prosperar. Aqui está um guia com cinco passos para reduzir seu estresse financeiro.

1. Concentre-se em você mesmo

Antes de focar no seu saldo bancário, primeiro você precisa se concentrar em si mesmo. É impossível colocar suas finanças em ordem enquanto você não estiver mais consciente. É verdade que, se é a sua saúde financeira que está causando sua ansiedade, a princípio isso pode parecer contraintuitivo. No entanto, se você conseguir se acalmar aos poucos será capaz de avaliar melhor a situação, tomar decisões mais seguras e ser capaz de planejar seus próximos passos com clareza.

A ciência mostra que o autocuidado funciona. Então, para nutrir sua mente, corpo e alma para que possam combater a ansiedade financeira, siga o seguinte:

Tente dormir o suficiente. Isso significa relaxar antes de ir para a cama (sem ficar no smartphone!), manter uma rotina de sono regular e reduzir o consumo de doces e cafeína pela noite;

  • Coma bem. Invista em uma dieta cheia de alimentos nutritivos e sua mente dará um retorno rápido. Afinal, somos o que comemos. Se você "compensa" o estresse com fast food e coisas do tipo, seu cérebro fica lento e mais sujeito à ansiedade;
  • Mexa-se. A atividade física faz maravilhas para o seu corpo e para o seu cérebro. A liberação de endorfina durante e após o treino pode melhorar seu humor e te deixar mais otimista. Exercícios ou práticas de esporte regulares aumentam a duração desse efeito, dando uma base melhor para combater o estresse financeiro.

2. Não se distancie, se abra

Para reduzir a ansiedade, é importante manter contato com seus entes queridos. Pode ser uma chamada de zoom com sua mãe, uma conversa rápida com seu melhor amigo ou até um monólogo para seu cachorro. O importante é falar para alguma pessoa próxima. O estresse financeiro pode fazer você se afastar de círculos sociais. Isso faz com que você fique ruminando sozinho seus pensamentos ansiosos, o que agrava o problema.

Embora possa parecer difícil e assustador, tente falar um pouco sobre os problemas que você está enfrentando e como está se sentindo. A pessoa não vai te dar todas as soluções que você está procurando, nem deveria. Mas, se ela ouvir o que você está dizendo e entender, a conversa pode ser incrivelmente tranquilizadora. Somos criaturas sociais, não devemos passar pelas dificuldades da vida por conta própria. Encarar as coisas com teimosia apenas prolongará o seu sofrimento. Ouvir algumas palavras compreensivas pode fazer uma grande diferença.

3. Conheça sua realidade financeira

Está um pouco melhor? Então agora sim você pode começar a cuidar de suas finanças. E essa talvez seja a tarefa mais intimidante desta lista - colocar suas habilidades de gestão de dinheiro em prática. Tente ver de onde vem e para aonde vai cada centavo e fique cara a cara com sua realidade financeira. No início, isso pode ser um grande choque, mas saber as origens e destinos do seu dinheiro a cada mês é uma ferramenta fundamental quando se trata de desenvolver hábitos financeiros saudáveis ​​e sustentáveis.

Para começar, consulte seu extrato do último mês. Anote todas as fontes de renda e coloque em um grupo. Em seguida, divida suas despesas em duas categorias: gastos fixos e variáveis. Os gastos fixos são aquelas despesas difíceis de alterar, como aluguel, contas de luz, internet e qualquer pagamento de dívidas. Seus gastos variáveis ​​são aqueles mais fáceis de adaptar, como dinheiro gasto com comida, serviços de assinaturas e compras. Nesse ponto, você poderá ver:

  • Se você tem mais dinheiro saindo de sua conta do que entrando todos os meses;
  • Quaisquer coisas com as quais você está gastando demais.

4. Identifique onde você pode economizar

Agora é hora de mergulhar um pouco mais fundo em seus problemas. Se seus gastos são maiores do que a renda, não se preocupe (muito). Você tem duas opções: diminuir seus gastos com certas coisas ou, se possível, tentar arrumar uma renda extra a cada mês. Você pode até decidir fazer as duas coisas, mas é importante não se sobrecarregar ao criar melhores hábitos financeiros - especialmente no início.

Depois de identificar as áreas em que está gastando demais, você vai ter um indicador claro de onde deve começar a cortar. E o jeito mais fácil de começar a economizar é com os gastos variáveis. Isso significa reduzir seu gasto total com apps de delivery de comida, por exemplo, ou cancelar assinaturas não utilizadas de serviços de streaming. Se quiser fazer economias mais drásticas, contudo, pode considerar cortar um dos gastos fixos. Isso significa descobrir como economizar no aluguel ou em contas como luz, gás, internet, etc.

5. Crie um orçamento

Em seguida, é hora de decidir quanto dinheiro você quer economizar por mês. Isso se chama criar um orçamento. Assim que você conseguir liberar algum dinheiro extra, vai ter uma ideia de qual vai ser seu orçamento para, digamos, começar a aplicar em uma poupança.

Acostumar seu cérebro com uma mentalidade econômica pode demorar um pouco, mas se resume a dar passos consistentes em direção ao seu objetivo. Se você não tiver certeza de por onde começar, a regra do 50/30/20 pode ajudar (50% da renda para o que você precisa gastar, 30% para o que quer comprar e 20% para dívidas/orçamentos). Ter um orçamento forte é uma das melhores ferramentas contra o estresse financeiro, porque ajuda você a manter suas finanças e sua saúde financeira sob controle. É depois disso que você vai poder começar a tomar algumas decisões financeiras mais inteligentes e com visão de futuro. O que inclui economizar para uma reserva de emergência ou para uma aposentadoria - ou quem sabe uma viagem. Ao criar um "amortecedor" entre você e as surpresas da vida, você cria também um escudo contra o estresse financeiro. Seu eu do futuro agradece.

Mais lidas