Cartão de crédito N26 Brasil

Cartão de crédito: herói ou vilão?

21 de outubro de 2022

Redação N26

Usando bem, o cartão de crédito vira um aliado pode te ajudar muito. Usando mal, vai criar uma dívida dura de pagar.

Crédito ou débito? Depende. Tem gente que só de pensar no cartão de crédito já sente ansiedade. Pra outras pessoas, nem existe outra forma de pagar.

Mas quem define se o cartão de crédito é o herói ou vilão da sua conta bancária é você. Se usar errado, não tem quem salve. Mas se tiver planejamento e organização, não há o que temer na hora de encarar a maquininha. 

Conheça o Cartão N26, com crédito, débito e lindo.

Por que tanta gente tem medo do cartão de crédito

É muito fácil ter um cartão de crédito. Você faz um cadastro e no dia seguinte ele já está na sua casa com limite disponível. Por isso existem mais de 130 milhões de cartões de crédito no Brasil.

Mas fácil não significa barato. Não é raro ver alguém perdendo o controle na hora de usar o cartão de crédito. Consequentemente, 85% das dívidas das pessoas vêm dele

Usar o cartão pra tudo vale a pena?

Pensa assim: o cartão de crédito é mais uma ferramenta à disposição do seu planejamento financeiro. Usando com responsabilidade - com fincare - ele pode te salvar de muita enrascada. Mas não é pra tudo que serve.

Cartão de crédito, crédito pessoal, crédito de veículo, crédito habitacional e etc. são coisas diferentes, criadas para funcionar com objetivos específicos. Usar o cartão de crédito para pagar a reforma da casa ou pedir um crédito pessoal para cobrir o cheque especial são escolhas que, provavelmente, vão deixar qualquer pessoa endividada.

Como usar o cartão de crédito com planejamento

O cartão de crédito é importante pra quem quer gastar sem comprometer o fluxo de caixa. Se você tiver a grana pra pagar a fatura no fim do mês, tá tudo certo. Mas vale também ficar de olho nessas dicas:

Saiba quais são as taxas do seu cartão de crédito

Sabia que os juros de um cartão de crédito podem ser maiores do que os de um crédito pessoal? É por isso que, apesar de parecer mais fácil de usar, é importante saber todas as taxas que podem vir com seu cartão.

Se você não pagar a fatura no dia certo, por exemplo, vai se deparar com a multa por atraso, que varia conforme o valor em não pago, mas pode chegar a 2% ao mês, e com a mora, que também pode variar e vai até 1%. 

Além disso, quando você atrasa ou paga só o mínimo, o valor da fatura que faltou entra no crédito rotativo. Suas taxas de juros podem chegar até 20,99% ao mês e 883,95% ao ano.

Vale ver no seu contrato também se você paga taxas de anuidade, emissão de segunda via do cartão, saque, uso pra pagamento de contas e pedido de avaliação emergencial do limite de crédito (quando você pede aumento emergencial do limite e te cobram por isso). Tudo isso pesa.

Limite é exceção, vale usar menos

"Eu ganho R$8 mil por mês: R$6 mil de salário + R$ 2 mil de limite do cartão." A piada é comum, aparecendo com valores diferentes em todo lugar. Por trás dela, uma ideia que deixa muita gente endividada: se tem limite, é pra usar.

Mas quem faz um bom planejamento financeiro sabe que não é bem assim. O limite existe por um motivo e é um bom aliado, mas não é porque ele está lá que deve ser gasto todo mês.

Na hora de colocar no papel quanto você pretende gastar mensalmente, teste estabelecer um limite menor do que o "oficial" pro cartão de crédito. Pode ajudar.

Tenha o valor do seu limite guardado  

Do mesmo jeito, se precisar usar vai ter que pagar. E a melhor forma de garantir que você tem cobertura pra imprevistos é ter o valor do limite do seu cartão de crédito guardado em algum lugar.

Essa é uma boa forma, aliás, de começar a separar um dinheiro. Se uma reserva de emergência parece difícil ainda, tente deixar o valor do limite lá, paradinho. Vai dar um ânimo.

Mais lidas